quarta-feira, 23 de junho de 2010

Disco da Semana #8: Symphony X - Paradise Lost


A banda norte-americana Symphony X surgiu em 94, em New Jersey. Essa banda pra mim é uma das melhores de todos os tempos, já que foi uma das primeiras de Heavy Metal que eu comecei a escutar quando moleque, lá pros meus 12, 13 anos. Lembrou que eu escutava uma coletânea que o Pedro Pantoja (guitarrista do Metal Nobre) gravou pra um de nossos amigos lá da igreja que eu frequentava. O cdzinho simplismente rodou na mão de muita gente por lá, pelo fato de todo mundo ficar impressionado com as músicas. era um peso com muita técnica e melodia incorporado e nós puxavamos o saco desde o baterista Jason Rullo até um impressionante vocal de Russel Allen. Anos depois em 2007, eu já era fanático pela banda e já tinha escutado todos os albúns, e em junho do mesmo ano sai "Paradise Lost" e fato: saiu uma semana antes do "Systematic Chaos" do Dream Theater. Eu considerava o 'The Divine Wings Of Tragedy" como o melhor albúm do SX, mas depois que o Paradise Lost foi lançado, ele foi simplismente considerado pro mim com o 2º melhor albúm deles!

A bolacha já começa espancando seus ouvidos com Set the World on Fire (The Lie of Lies) com a bateria cheia de viradas juntos com a guitarra nervosa de Michael Romeo, este que foi o principal compositor desse disco, afinal é a guitarra dele que direciona todas as músicas, mas nada que tire o foco do resto da banda. Domination já tem uma pegada mais  thrash e progressiva. Outro destaque crucial nesse disco é o vocal mais que poderoso de Russel Allen, que está 100% agressivo. Muitos fãs torceram um pouco o nariz pela interpretação dele no disco, mas eu adorei, tamanho peso e agressividade num instrumental elaborado não podia deixar de ter uma direção mais agressiva por parte do vocal. The Serpent's Kiss é mais cheia de groove e com amplo destaque pra bateria de Jason Rullo e as guitarras do Sr. Romeo. O que mais me impressionou nesse disco é a faixa título do disco ser uma power ballad, linda e perfeita com direcionamento dos teclados de Michael Pinella. Ela é bem nos moldes de The Acollade, do "The Divine...".

The Walls Of Babylon, primeira música longa, começa com 3 minutos de puro prog metal, com muitas passagens técnicas, e uma pegada mais power metal e com um refrão cheio de corais. Seven é agressiva do começo ao fim sem dar descanso aos seus ouvidos, e tem o refrão mais grudento de todo o disco. E a obra prima fecha com a suíte Revelation. Uma dica: escute esse disco o mais rápido possível!

1. Oculos Ex Inferni
2. Set The World On Fire (The Lie Of Lies)
3. Domination
4. The Serpent´s Kiss
5. Paradise Lost

6. Eve Of Seduction
7. The Walls Of Babylon
8. Seven

9. The Sacrifice
10. Revelation (Divus Pennae Ex Tragoedia)

Formação:

Michael Romeo − Guitarra
Michael Pinnella − Teclado
Jason Rullo – Bateria
Russell Allen − Voz
Michael Lepond − Baixo



Reações:

0 comentários: